Presidente da Petrobras, Pedro Parente, pede demissão da estatal

Parente ficou exatamente 2 anos no comando. Tomou posse em 1º de junho de 2016
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, pediu demissão na manhã desta sexta-feira, 1º. A informação consta em comunicado da estatal divulgado no final desta manhã.
De acordo com a nota, a nomeação de um CEO interino será examinada ao longo do dia pelo Conselho de Administração. Ainda de acordo com o comunicado, a diretoria executiva da companhia não sofrerá qualquer alteração.
Parente ficou exatamente dois anos no comando da Petrobras, já que tomou posse no dia 1º de junho de 2016.
A saída de Parente acontece na esteira da greve dos caminhoneiros contra a disparada dos preços do diesel. A paralisação durou 11 dias e causou desabastecimento generalizado de produtos e serviços no país todo.
Em carta, Parente disse que a paralisação dos caminhoneiros desencadeou um intenso debate sobre as origens da crise e que colocou a política de preços da estatal sob intenso questionamento.
“A greve dos caminhoneiros e suas graves consequências para a vida do País desencadearam um intenso e por vezes emocional debate sobre as origens dessa crise e colocaram a política de preços da Petrobras sob intenso questionamento. Poucos conseguem enxergar que ela reflete choques que alcançaram a economia global, com seus efeitos no País. Movimentos na cotação do petróleo e do câmbio elevaram os preços dos derivados, magnificaram as distorções de tributação no setor e levaram o governo a buscar alternativas para a solução da greve, definindo-se pela concessão de subvenção ao consumidor de diesel”, diz a carta.
Fonte: De Fato.Com

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.